04 Passos para Resolver Problemas Complexos

04 Passos para Resolver Problemas Complexos

solução de problemasO que é um problema complexo? Questões complexas são caracterizadas pela correlação entre diversos aspectos e/ou atores relevantes a um sistema e pelos diversos impactos gerados entre eles. Já um problema simples é uma situação sem a correlação de diversos aspectos relevantes.

A complexidade é uma característica da natureza e não deixará de existir, por isso não pode e nem deve ser evitada nos negócios.  Ao se deparar com a necessidade de solução de um problema complexo, alguns passos podem ser dados e, aqui, cito quatro que considero essenciais:

 

  1. Manter a calma:

A mente trabalha melhor quando não está sob esgotamento emocional.  Manter a calma e confiar que você conseguirá resolver o problema é o primeiro passo. Ao pensar positiva e esperançosamente, o sistema nervoso parassimpático é ativado e contribui para renovação celular neural, deixando a sua mente mais aberta a novas ideias.

 

  1. Coletar dados e categorizar:

Colete todos os dados possíveis em relação ao problema e tente fazer isso por diversas perspectivas. Identifique os principais atores e elementos, isto é, aqueles que possuem maior impacto no sistema, maior frequência e/ou intensidade de relacionamento com os demais. Identifique padrões de relacionamento entre atores e/ou elementos do sistema, seus interesses e posicionamentos em relação aos demais. Categorize, separando-os por aspectos de semelhança entre os envolvidos.

 

  1. Visualizar o problema, colocar no papel:

Ao transferir o problema da abstração mental para o papel, a mente passa a ter outra perspectiva para a identificação do problema, pois agora ele não está apenas em pensamentos, mas se transforma em um sistema a ser percebido pelos sentidos (visão, neste caso).  Então, desenhe, faça um mapa mental ou mesmo uma tabela para compreender as dinâmicas de interação entre todos os atores, elementos ou questões relevantes ao problema. Crie símbolos ou cores que identifiquem os atores e ou elementos semelhantes de forma a ficar mais fácil de visualizar o sistema.

 

  1. Criar hipóteses, brincar com os atores e elementos:

Construa hipóteses a partir da modificação na interação entre atores e/ou elementos. Formule hipóteses perguntando: “E se…?”. Tente enxergar o problema em camadas a partir da categorização feita, em escalas diferentes dando zoom in e zoom out, altere posicionamentos ou retire/adicione atores e elementos e infira como o sistema se comportaria. Fazendo isso, é possível que a solução logo apareça.

 

Apesar de existir um grande apelo à simplicidade das soluções no empreendedorismo, um problema complexo nunca será simples, e o que é necessário à complexidade é a clareza, para tornar o problema compreensível. Através desses quatro passos é possível organizar a sua mente e trabalhar no problema para a solução, que poderá surgir como um insight, trazendo à tona o conceito de emergence da criatividade e do design, que significa “achar a resposta para o problema ao resolver o problema e pensar na solução ao mesmo tempo”. Ou seja, emergence é um processo de reconhecimento ou compreensão de algo que não estava visível em um primeiro momento, mas que durante o processo de solução do problema esse algo se torna visível.

E, talvez durante o processo, você experimente ou queira praticar o que o médico Herbert Benson, fundador da Mind/Body Medical Institute e professor da Harvard Medical School, chama de breakout principle – princípio de ruptura. Isto é, a pessoa deve se concentrar inicialmente no problema para chegar em um nível de estresse produtivo, mas quando sentir o esgotamento mental, ela deve fazer algo totalmente diferente, se distrair. E, numa terceira etapa, com o cérebro mais tranquilo, a atividade paradoxalmente aumenta em áreas associadas à atenção, a conceitos de tempo-espaço e a tomadas de decisões, gerando um súbito insight criativo – o breakout. A etapa final desse processo de controle do estresse para aproveitar os seus benefícios e evitar os seus riscos (burnout) é a chegada a um “estado novo-normal”, no qual um rendimento maior é sustentado, construído a partir de uma dinâmica ativo passiva.

Portanto, a complexidade não é confusão e nem a clareza é simplicidade. O que precisamos para resolver problemas complexos nas empresas é equilíbrio, clareza e flexibilidade mental para criar hipóteses e fazer emergir soluções com doses homeopáticas de ócio criativo.

 


Compartilhar:
Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Cássia Klöpsch

cassia@star2up.com.br

Pesquisadora e consultora em Processos, Ferramentas Criativas e Ambientes para o desenvolvimento de projetos inovadores.

No Comments

Post a Comment

Comment
Name
Email
Website